Entendendo seu estilo.

Já parou para pensar nas referências que você usa de inspiração na hora de se vestir? O que para muit@s é apenas um copia-e-cola eterno, para muit@s é um exercício eterno de autoconhecimento e desenvolvimento do estilo pessoal.

Autoconhecimento e vida.

É preciso viver para desvendar os mecanismos por trás da relação que você tem com as suas roupas. Eu falei sobre ter uma relação equilibrada com as suas roupas porque quando nos tornamos escrav@s da moda, deixamos de ter prazer em se vestir e começamos a alimentar uma obsessão nada saudável pelo consumismo e pela ditadura de tendências imposta pela indústria da moda.

Padrões.

Entender os padrões que você repete é uma maneira muito eficiente de pensar em quebrá-los. Nós costumamos repetir padrões na hora de se vestir. Isso não é bom, nem ruim, é apenas uma constatação. Quando gostamos de uma coordenação de peças, repetimos.

Solange Knowles, incrível como sempre conhece bem seu corpo e seu estilo – investe em cores e comprimentos que a favorecem

A ideia aqui é perceber o que você gosta: uma silhueta, um caimento, uma textura. Você pode ousar brincar com combinações que não costumam fazer parte do seu repertório: combinou o cropped com uma saia hoje, que tal experimentar combiná-lo com uma parte de baixo diferente da próxima vez?

Libera essa imaginação e não esquece de tirar fotos.

Errar é preciso.

Sem errar ninguém acerta, ou acerta, mas fica no mais do mesmo, repetindo as mesmas combinações de sempre.

Não tenha medo de errar, o erro, principalmente quando falamos em moda, vem do explorar o novo, o desconhecido. Enquanto não ousar trocar a sandália de sempre por um tênis, você não saberá como irá se sentir. Já pensou em trocar a sua calça skinny por uma pantalona? Já provou uma calça pantacourt? Usa sempre short? Que tal trocar por uma saia? E já pensou em trocar a sua mini por uma mid só por hoje? Ouse sem esquecer que, para acertar, errar é preciso.

Sem mais do mesmo.

Pesquise referências que te tirem da zona de conforto: pra mim, misturar estampas é complicado.

Precisamos entender que ser minion de loja não é legal. Não é legal usar uma marca dos pés a cabeça. Não é legal copiar um look sem mudar alguma coisa, sem dar o seu toque pessoal. Eu sempre digo que precisamos de referências, mas por favor, não copie o look inteiro.

Por isso é importante ler,  assistir filmes, ir ao teatro, andar na rua. É importante ter contato com o mundo. Nem só de Pinterest e Instagram é feita a moda. É importante ficar atent@ a moda que vem das ruas, ao que as pessoas usam, como usam, como se comportam, aos cheiros e sensações que depois são subjetivamente computadas pelo cérebro.

Tudo isso molda quem você é.

Um pouco do sonho, mas um sonho inserido na realidade em que você vive.

Conhecer sua realidade é tão importante quanto conhecer o seu armário. Se você é estudante, se tem filhos, se fica mais tempo em casa ou na biblioteca, ou trabalhando, em pé ou  sentada. É importante conhecer a sua rotina para desenvolver um armário eficiente.

Versatilidade.

Roupas precisam ser versáteis e funcionais. A vida é complicada demais para perdermos tempo com roupas que não funcionam.

Todo mundo tem peças que apesar de não serem usadas todos os dias servem para a vida toda. Algumas peças viram parte essencial do nosso armário funcionando nas mais diversas ocasiões, e fazendo bonito na maioria das combinações.

Eu queria um armário cheio de peças assim, versáteis.

Coragem.

Não poderia encerrar o post sem o dever de casa do dia: coragem.

Coragem para explorar caminhos desconhecidos e entender que alguns padrões devem ser repetidos, enquanto outros podem ser quebrados.

Ouse brincar com a sua maquiagem, com as cores, você não precisa fazer uma análise de coloração pessoal para explorar cores novas. Inclusive, apenas experimentando conseguimos descobrir novos padrões e novas combinações!

Facebook Comments

Veja também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *