Qual o desejo mais bobo que vc deixou sempre de lado? O meu foi ter o cabelo azul

Há poucas semanas eu resolvi dar uma chance pra um desejo de muitos anos, ter o cabelo azul.

A filosofia de vida minimalista me fez ter um olhar tão próximo ao meu eu interior, uma conversa tão profunda comigo mesma.

E em umas dessas conversas bem íntimas comigo, percebi que deveria dar mais uma chance para o cabelo colorido.

Foi a conversa mais sincera dos últimos tempos. Foi muito emocionante perceber o quanto isso significava pra mim, pra minha autoestima, pra minha segurança, pra cumprir um desejo.

O cabelo sempre foi um item do meu corpo que significou mudanças. Quando eu queria mudar algo em mim em primeiro lugar mudava o cabelo.

Ele trazia os ventos da mudança.

Para mudar de emprego, relações, conteúdo em mim, eu começava pelo cabelo.

Esse é texto de semana passada caso você não tenha lido, basta clicar aqui.

Eu já tive o cabelo azul alguns anos atrás, mas que não fiquei tão feliz. Eu não cuidei dele como eu deveria, esse processo de descoloração era bem desconhecido pra mim, não entendia nada sobre os cuidados que eu deveria ter e a hidratação ficou de lado, já podem imaginar que ficou uma droga :/.

Mas sempre foi meu sonho. Eu sempre quis ser azul, sim da cor azul, ela é minha cor favorita da vida, por causa da Zula do Castelo Rá Tim Bum. Eu sempre acreditei que existiam pessoas com outras cores mais legais do que estávamos acostumados a ver, quando a Zula apareceu foi mágico pra mim. Pensei, é isso que quero.

Pedi pra minha mãe, onde poderiam me pintar para que a minha pele ficasse naquele tom. Infelizmente não existia esse processo.

Conforme os anos foram passando, eu queria um cabelo colorido. Pintei com papel crepom, um modo de crianças fazerem coisas que os pais aprovassem mais fácil.

Fiz uma mecha loira escondida da minha mãe aos 13 anos, na qual me arrependi, pois me senti culpada de fazer o ato escondida, eu não mentia pra minha mãe, nunca gostei de mentiras e não gostei do resultado o cabelo ficou péssimo.

Quando fiz 16 anos comecei a pintar meu cabelo de vermelho cereja, não era cor fantasia, vi muitos anos com esse tom.

Eu entrei na faculdade de games aos 24 anos, me dediquei por 1 ano somente aos estudos e somente com essa idade tive coragem de me aventurar no azul (mas não cuidei dele direito), demorei muitos anos pra entender que a minha vontade era o que realmente importava.

Eu ouvia que ia estragar meu cabelo, que iria ficar feio, que o vermelho que combinava comigo, que eu não ia achar emprego, que eu iria sofrer muito preconceito e muitos outros falatórios a respeito.

Precisou de eu não estar trabalhando, de não ter algo maior pra me impedir sabem? Só que o motivo maior era eu me importar com o que os outros queriam de mim e não com o que eu queria de mim.

Era meu sonho. Um sonho bobo. Mas que era só meu. Só eu podia fazer com que ele se realizasse.

Agora cá estou eu, quase 29 anos, com o cabelo azul novamente. Com os devidos cuidados rs e dedicação para o meu sonho.

Eu convido a você, a se olhar, a ver qual é o sonho mais bobo, qual sua vontade mais besta.

É comprar um funko de um personagem que ninguém gosta? É pintar o cabelo de branco? É desenhar na parede da sala? Uma tatuagem que você sempre quis fazer?

Então vá e faça!

Nossos desejos bobos são deixados de lado, justamente por serem bobos. A gente acaba deixando nossas vontades verdadeiras de lado, por conta de modos prontos e ditos “certos” para viver.

Eu te desafio a sentar a semana e anotar seus desejos bobos e analisar o porquê não foram feitos ainda. Depois basta executar essa sua vontade e me contar aqui depois como foi!

Esse vídeo da Du é maravilhoso e fala sobre a relação com nosso cabelo 🙂

Se você ainda não me segue no instagram, segue lá @ranacarolina, eu sempre posto quando sai o texto aqui no blog, os meus vídeos

Facebook Comments

Veja também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *